Cabisbaixos

A tristeza não é tão má:
nos faz sentir,
nos faz pensar.
Só faz crescer,
mas faz chorar:
alívio à mágoa,
da guerra, a trégua
se tristes
travam-se
batalhas,
mortalha
aos egos,
sossego
ao fogo.

Para pisar,
não se erguem
os cabisbaixos,
os desiludidos
que bem sabem
padecer,
perdoar
pra sobreviver.

Embora

Eventos sem volta
tornam a inspirar
esperança em quem
sonha com os céus:
uma estrela prenuncia
a redenção,
libertação
para viver só alegria.

Por hora, abnegação,
mais tarde, cedo
afeição sem medo,
abraço e consolação.

Vamos?

Poente

É uma questão de instantes
até que o sol se afaste o bastante
para sumir na perspectiva do horizonte:
rio largo, estreitado antes de sua fonte.

E a sombra abaixo das nuvens
sobre a minha cabeça
hão de testemunhar o plano criado,
enquanto os arcos das chuvas
inexplicavelmente curvos
hão de testemunhar que acima do inundado,
existe outro mundo e, abaixo deste,
um domo de estrelas selado.