Megido

És são ou insano?
Santo ou profano?
Gélido ou cálido?

O medo que tens
de ver-te a bem,
distorce a alma.

Não superior,
nem inferior.
Muito menos atolado
nos feitos do diabo:
por isto chame
defeito, fraqueza;
vergonha, beleza.

Mornidão,
tibieza?
És filho,
aprendiz,
bendito
e feliz,
ou não?

Gabi

Ai desse seu cheiro em mim.
Ai dessa paixão sem fim
na qual dá medo de mergulhar
com desejo, por um beijo
no sim de nós dois,
e quem sabe depois
acordar em um sonho
de ter ao meu lado,
alguém que entenda
o quanto tenho esperado
por ser acolhido
e empurrado para a glória.

Mas me descobri cego,
incapaz de sentir
essa sua muda emoção.
E no escuro das ausências
escaparemos nós da solidão?

Sobejo

Tendo seu epicentro e limiar
estranhamente no mesmo lugar,
a consciência
representa o ápice,
misteriosa sinapse
da existência.

Tantas cores quanto aromas
de amores,
e sabores de entendimentos,
de sentimentos
com sentidos nobres,
ou pobres ao reinar.

Trabalhamos para comer,
comemos para viver,
e podemos viver
para festejar
a liberdade,
para amar
e soltar
o ser.